Ressonância Magnética

Imagens que facilitam um diagnóstico de alta precisão. Um dos mais modernos equipamentos de ressonância magnética foi inaugurado ontem no Biocor Instituto, no Bairro Vila da Serra, em Nova Lima, Região Metropolitana de Belo Horizonte. O Multiva 1.5 T, de 16 canais, é capaz de enxergar o corpo humano por dentro com alta eficiência. “É o modelo mais recente encontrado no Brasil e o estamos testando há um mês. Atende às necessidades dos colegas de todas as especialidades. A qualidade da imagem é fantástica”, afirmou o diretor-presidente do hospital, Mario Vrandecic.

Para ele, a aquisição do equipamento é um marco tecnológico da instituição. “É como se você pensasse ou respondesse à minha pergunta: ‘Se você tiver que olhar por dentro de uma pessoa, como é que você faria?’ Normalmente, a resposta é através de uma cirurgia, abrindo o corpo. Aqui não, esta máquina tem a capacidade de enxergar cada pintinha de célula que você tem lá dentro, com a maior precisão”, disse Vrandecic.

Segundo o diretor-presidente do Biocor, é possível observar tanto a parte encefálica, neurológica e óssea, tanto para ortopedia quanto para neurocirurgia, além de órgãos como pâncreas e fígado. “Pode-se até medir o número de aminoácidos que tem aquela lesão ou aquela doença. Isso facilita um diagnóstico diferencial”, disse.

Para Vrandecic, a aquisição do equipamento de ressonância magnética é importante principalmente para a comunidade, por ser o único aparelho com esse nível tecnológico existente em Belo Horizonte e no Brasil, segundo ele. O valor do investimento, de acordo com ele, vai além da compra da máquina. “Não é o aparelho apenas. São as instalações, a qualificação de técnicos e de médicos especializados. O investimento certamente é maior do que US$ 2 milhões”, afirmou.

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Representantes da Philips, fabricante do aparelho, estiveram ontem à noite no Auditório Mario Vrandecic, do Biocor Instituto, apresentando o aparelho para funcionários e convidados. As imagens digitais não apresentam ruídos, diferentes das captadas pelo sistema analógico comum no mercado. O posicionamento fácil e rápido da máquina permite atender mais pacientes e com pouco consumo de energia, atendendo a uma das preocupações do Biocor, que é a questão ambiental.

"É o modelo mais recente encontrado no Brasil. Atende às necessidades dos colegas de todas as especialidades. A qualidade da imagem é fantástica", Mario Vrandecic, diretor-presidente do Biocor Instituto (foto: Cristina Horta/EM/D.A Press)